Radar de penetração no solo (GPR) para pesquisas arqueológicas e geofísicas
fechar X
menu de navegação
 

Levantamento Arqueológico

A necessidade de técnicas que forneçam cobertura de área rápida e imagens detalhadas da subsuperfície para avaliar os locais históricos sem investigações intrusivas leva naturalmente à exploração do poder do GPR.

Tem uma pergunta que precisa de uma resposta?

Arqueologia de Campo

O radar de penetração no solo ou GPR é um sistema usado em geofísica para digitalizar, mapear e registrar informações sobre a subsuperfície terrestre. Os arqueólogos empregam esse procedimento técnico há vários anos e também é comum em outros campos científicos, como estudos ambientais, geologia e até mesmo engenharia civil.

A geofísica arqueológica envolve métodos para coletar dados que permitem ao arqueólogo de campo criar imagens e mapear características arqueológicas subjacentes, que de outra forma seriam impossíveis de detectar usando métodos de campo tradicionais. Os arqueólogos podem tirar vantagem das mudanças físicas e químicas dentro do solo em relação à presença ou ausência de objetos subterrâneos. Utilizando instrumentos de alta sensibilidade, o técnico especialista pode medir, mapear e interpretar os sinais de dados, recebidos pelo sistema GPR, em informações úteis para o planejamento da escavação.

Pesquisa não intrusiva

A maior vantagem do radar de penetração no solo é que ele oferece uma maneira não invasiva e não destrutiva de coletar informações sobre a superfície próxima. Grandes locais com restos mortais podem ser visualizados e analisados ​​de forma eficiente e precisa, preservando o local.

Os mapas GPR oferecem dados de pesquisa primários úteis que podem ser usados ​​para estabelecer locais de escavação ou mesmo identificar áreas sensíveis onde restos culturais, como locais de sepultamento podem ser encontrados e podem precisar de um processo de extração especial e, portanto, as informações podem orientar os arqueólogos a evitar perturbar ou destruir esses locais.

Os estratos sedimentares e artefatos enterrados possuem uma composição física e química peculiar. Isso influencia a velocidade de propagação da onda eletromagnética (condutividade elétrica e permeabilidade magnética). As diferenças ou variações nas ondas recebidas significam a presença de objetos, vazios, mudanças nas propriedades físicas, etc. O padrão na imagem do subsolo é indicativo de características arqueológicas subjacentes, como arquitetura ou artefatos.

Entre em contato conosco se precisar de ajuda para interpretar dados de radar de penetração no solo para arqueologia.

  • Arqueologia-paredes enterradas-fundaçõesMuros enterrados e fundações
  • Arqueologia-Cemitérios-sepulturas não marcadasCemitérios e túmulos não marcados
  • Arqueologia-Construção-HistóricaConstrução Histórica
  • Arqueologia-sítio-histórico-investigaçãoInvestigação de local histórico
  • Arqueologia-artefatos preciososArtefatos preciosos

Artigos:

Pedir mais informações

 

Estudos de Caso

pesquisa gpr rodoviária

Construção de estradas históricas

A rota de uma estrada viking de 600 anos era desconhecida, mas suspeitava-se que cruzasse um pasto na Dinamarca. Uma pedra marcadora foi localizada perto de um pequeno riacho no campo, sugerindo que a estrada passou pela área. Em 1992, o levantamento GPR localizou a antiga estrada sob o pasto e ajudou a definir a estrutura interna de uma estrada.

Saiba Mais

Literatura

Produtos relacionados